BUSCA

Links Patrocinados



Buscar por Autor
   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z


A Arqueologia da Violência
(Paulo Cézar (resumo feito do livro de Pierre Clastres))

Publicidade
Capítulo 4 – Do etnocídio

O etnocídio refere-se à matança feita à cultura e ao espírito indígena na América do Sul. Diferentemente do genocídio que eclodiu como extermínio sistemático dos judeus europeus pelos nazistas, ou seja, dizimação de uma raça, o etnocídio foi cunhado para descrever essa barbárie que também ocorreu na America do Sul, qual seja o enfraquecimento da cultura, dos ideais, das crenças de um povo subjugado aos interesses de dominadores.
O etnocídio caracteriza-se pelo não respeito às diferenças. O Estado brasileiro prega o etnocídio quando procura dizer que o índio é um cidadão brasileiro, dessa forma alinha, padroniza, esquece-se da história dessa comunidade indígena. O etnocídio tem caráter autoritário e o estado só comunga cidadãos que estejam emparelhados com a lei. O capitalismo exacerbado levou os povos a se submeterem ao etnocídio ou ao genocídio. Que diga os índios norte-americanos que foram dizimados tanto no etnocídio quanto no genocídio.



Resumos Relacionados


- A Arqueologia Da Violência

- A Fundação Do Brasil - 1500 A 1700

- A Arqueologia Da Violência

- A Terra Sem Males _ Mito Guarani

- GenocÍdio ArmÊnio: Também "nunca Novamente"



Passei.com.br | Portal da Programação | Biografias

FACEBOOK


PUBLICIDADE




encyclopedia