BUSCA

Links Patrocinados



Buscar por Autor
   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z


Caçadores de pulsares farão expedição astronômica usando PCs
(Agência Fapesp)

Publicidade
Computação distribuída

O projeto, da Universidade de Wisconsin, nos Estados Unidos, e do Instituto Albert Einstein, na Alemanha, é um dos maiores exemplos de computação distribuída no mundo. Mais de 200 mil voluntários emprestam tempo de seus computadores para formar uma grande rede de processamento e ajudar os cientistas a analisar dados.

O sistema funciona a partir da instalação de um software nos computadores dos voluntários, que devem estar ligados à internet. Toda vez que a máquina estiver ociosa por alguns minutos, o software entra em funcionamento, usando a capacidade de processamento para analisar os dados recebidos dos servidores centrais que ficam na Universidade de Wisconsin. A idéia é fazer com que milhares de PCs comuns atuem em conjunto como um supercomputador.

Para conhecer mais sobre este e outros sistemas nos quais os usuários doam o poder de processamento de seus computadores para projetos científicos, veja a reportagem Andróides e alienígenas vão se juntar à pesquisa pangaláctica.

Caçadores de pulsares

Com novos métodos desenvolvidos no Instituto Albert Einstein, o [email protected] irá vasculhar os dados colhidos pelo radiotelescópio de 305 metros de diâmetro administrado pela National Science Foundation (NSF) e pela Universidade Cornell, dos Estados Unidos.

Os dados serão usados para tentar encontrar sistemas binários formados por uma estrela de nêutrons em órbita de um buraco negro (ou de outra estrela de nêutrons).

As atuais buscas por sinais de rádio perdem a eficácia em períodos orbitais menores do que 50 minutos. Mas com o enorme poder computacional do [email protected] (o equivalente a dezenas de milhares de máquinas), os idealizadores do projeto estimam ser possível detectar pulsares em sistemas binários por períodos orbitais de até 11 minutos.

Teste da Teoria da Relatividade

"A descoberta de um pulsar em órbita de um buraco negro, por exemplo, fornecerá grandes oportunidades para testar a Teoria da Relatividade Geral e para estimar com que frequência tais sistemas binários se fundem", disse Jim Cordes, professor da Universidade Cornell e presidente do conselho responsável pela administração do Observatório de Arecibo.

As formações desses sistemas binários estão entre os eventos mais espetaculares e mais raros do Universo. Elas emitem grandes explosões de ondas gravitacionais que podem ser detectadas por instrumentos astronômicos. Estima-se que tais fusões resultam também em grande emissão de raios gama pouco antes de as estrelas que se fundiram entrarem em colapso e formarem um buraco negro.

Ondas gravitacionais foram inicialmente previstas por Einstein, em 1916, como consequência da Teoria Geral da Relatividade, mas até hoje não foram detectadas diretamente. Nos últimos quatro anos, os participantes do [email protected] têm caçado tais ondas.

"Nosso objetivo de longo prazo é detectar ondas gravitacionais, mas queremos antes poder descobrir alguns novos pulsares por ano, o que será muito importante para o programa e para os astrônomos em geral", disse Bruce Allen, diretor do [email protected]



Resumos Relacionados


- Albert Einstein

- Albert Einstein

- Viagem No Tempo: Teoricamente Possível, Tecnicamente Inviável

- Raios Gama E Buracos Negros

- Computador



Passei.com.br | Portal da Programação | Biografias

FACEBOOK


PUBLICIDADE




encyclopedia