BUSCA

Links Patrocinados



Buscar por Autor
   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z


A Adaga
(Lygia Fagundes Telles)

Publicidade
Quando olhamos para as coisas, quando tocamos nelas é que começam a viver como nós; muito mais importante do que nós, porque continuam.
O cinzeiro recebe a cinza e fica cinzeiro; cinzeiro sem cinza não tem sentido nenhum.
Os objetos só tem sentido, quando têm sentido. Fora disso...Eles precisam ser olhados, manuseados, como nós. Se ninguém me ama eu viro uma coisa ainda mais triste do que um cinzeiro sem cinza... por que ando, falo, indo e vindo como uma sombra, vazio, vazio...É o peso de papel sem papel, o cinzeiro sem cinza...Fico aquela adaga ali fora do peito. Para que serve uma adaga fora do peito?
Uma lua de prata tão aguda...Fui eu quem descobriu essa adaga.



Resumos Relacionados


- Maria Na Terra De Meus Olhos

- Pokemon A Batalha Das 4 Estrelas

- Como Dizer Não Ao Cigarro?

- O Principe Da PÉrsia E As Areias Do Tempo

- Prince Of Persia: The Sands Of Times



Passei.com.br | Portal da Programação | Biografias

FACEBOOK


PUBLICIDADE




encyclopedia