BUSCA

Links Patrocinados



Buscar por Autor
   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z


Z
()

Publicidade
Suspense político baseado no assassinato do deputado Lambrakis, líder
da oposição grega nos anos 60, médico, professor universitário pacifista e anti-americano,
agredido por membros de uma organização extremista de direita. Impossibilitados pelo governo de
utilizarem o auditório destinado à conferência de seu líder (a polícia alegara falta de
segurança no local), os membros da oposição ocupam uma sala menor, o que leva a maioria dos
participantes a ficarem do lado de fora ouvindo através de auto-falantes o que ocorre lá dentro.
A presença de militantes de extrema direita no local, e as provocações destes, causa um choque
entre os dois grupos que a polícia, embora presente, pouco faz para impedir. Mas a violência
acaba atingindo o líder da oposição que, ao chamar o chefe de polícia, foi agredido por
manifestantes e veio a morrer no hospital. A investigação da polícia conclui levianamente
tratar-se de acidente, e que o deputado morrera devido a uma queda, até a autópsia revelar que a
vítima teria sucumbido a seguidas pancadas de algum objeto contundente, como um cacetete. Um
novo e rigoroso investigador assume o caso e, disposto a obter a verdade a qualquer custo, vai
atrás dos suspeitos, enredando-se numa trama envolvendo subornos, corrupção policial em altos
escalões e a cumplicidade da polícia com o terrorismo de direita.

A investigação do Caso Lambrakis tomaria rumos tais que levaria à
renúncia do governo de Elias Papandreou, na Grécia, e à eleição de um primeiro-ministro de
oposição, derrubado depois por um golpe de Estado. No Brasil, Z (Z, França/Argélia, 1969) ficou quinze anos retido pela
censura do regime militar, causando comoção nas platéias ao ser liberado nos anos 80. Tal
reação justifica-se quando se compara a realidade grega à época com a brasileira, seja nos anos
80 ou hoje: corrupção, ditadura disfarçada de democracia, uma mídia comprometida com o poder,
abusos. Aberrações que vêm atravessando décadas e permanecem como parte da estrutura social,
tanto quanto as doenças endêmicas que já deveriam ter sido erradicadas mas continuam matando
gente que não tem plano de saúde para se defender. Em Z (letra que, em grego, significa "ele
está vivo" ), a luta contra essas deformidades sociais é mostrada em seus vários momentos,
da divisão da esquerda entre a reação pacífica e a luta armada, ao conflito do cidadão comum,
que no próprio ambiente familiar é coagido a não testemunhar contra os agressores ("Deixe que
se matem" , aconselha a esposa, referindo-se a governo e oposição). O diretor Constantin
Costa-Gavras, especialista em dramas político-sociais, realizou uma obra contundente que não
teme ser panfletária, mas que também não esquece de ser cinema. A narrativa, de início
propositalmente desordenada, com personagens anônimos correndo feito baratas tontas de um lado
para outro e seguidos por uma câmera idem, aos poucos se torna densa quando a investigação
começa a se aprofundar, e os podres dos envolvidos vão surgindo em inesperados flash
backs. Ainda que não desenvolva muito bem os momentos dramáticos com a participação da viúva
vivida por Irene Papas, Costa-Gavras é feliz na construção dos coadjuvantes, sabendo dosar o
humor nos detalhes e nos ótimos diálogos. Z confirma, assim, a sua atualidade, por mais
que a bi-polarização do mundo tenha terminado, e o discurso oficial dos governos tenha abolido
os "ismos" , e hoje todo mundo se diga a favor da democracia.



Resumos Relacionados


- Antecedentes E Consequências Da Rev. Dos Cravos (25 De Abril)

- Revista Época

- Folha De Sao Paolo

- Jornal De Notícias

- Brasil Da Ditadura Para Democracia



Passei.com.br | Portal da Programação | Biografias

FACEBOOK


PUBLICIDADE




encyclopedia