BUSCA

Links Patrocinados



Buscar por Autor
   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z


Raça e gênero: o papel da analogia na ciência
(Nancy Stepan Lewys)

Publicidade
STEPAN, Nancy Lewys. “Raça e gênero: o papel da analogia na ciência”. In: Tendências e impasses. O feminismo como crítica da cultura. Rio de Janeiro: Rocco, 1994. p. 72-96. A autora inicia o texto apontando a desconfiança a respeito do papel desempenhado pelas metáforas e analogias na ciência que existiam no século XIX com o Positivismo, e como, aos poucos, ela foi perdendo o seu caráter de fantasia poética, falsidade, imaginação. Ela propõe-se a contribuir para a construção de uma “teoria crítica da metáfora científica” nesse momento em que a metáfora e a analogia são consideradas de grande valor por autores como Thomas Kuhn Richard Boyd. Stepan utiliza como exemplo de analogia aquelas que liga raça ao gênero.
Stepan discorre sobre a importância que foi atribuída à raça e gênero pela ciência do século XIX, citando as referências de cientistas da época à semelhança entre mulheres e as “raças inferiores”. A mesma degeneração a que estavam sujeitos os indivíduos oriundos de cruzamento de raças distintas, estavam sujeitas as mulheres que ousavam tentar atravessar os limites adequados ao sexo feminino. Segundo a autora, o que faz com que a analogia em ciência seja aceita é o fato de que a mesma não é reconhecida como arbitrária. No que se refere aos motivos que leva a ciência a adotar certas metáforas, muitos são eles: desde a natureza do objeto de estudo (orgânica ou inorgânica) à estrutura social da comunidade científica. No caso do estudo da diferença humana, a autora afirma que contribuíram várias metáforas culturalmente arraigadas. Para Stepan, são as representações surgidas do sistema metafórico que nos permitem perceber as diferenças. A autora afirma que as metáforas e as analogias são elementos constitutivos da ciência e que sem elas não há ciência. Stepan cita a “metáfora da ação recíproca” de Max Black como um modo de vermos como as metáforas, ao interagirem, tornam-se dotadas de sentido. O significado das metáforas em interação surge a partir da aplicação do “sistema de lugares-comuns associados” pertencente a uma metáfora sobre outra. É assim que não podemos dizer que há similaridade efetiva entre a mulher e o negro, ela é construída pela metáfora. Stepan afirma que a metáfora e a analogia podem ser comparadas ao paradigma científico proposto por Kuhn. A autora nos mostra que tais analogias e metáforas, ao mesmo tempo em que destacam certos elementos e criam similaridades, omite, ignora outros. O fato de se ter no conhecimento científico um conhecimento objetivo, que expressa a realidade das coisas, faz com que as metáforas e analogias tornem-se dogmáticas e acabem moldando nossas percepções e alterando nossas ações. O elemento justificador contido nas metáforas também é destacado por Stepan.



Resumos Relacionados


- Metáforas Para A Evolução Pessoal E Profissional

- Definição De Analogia

- Utilidade De Analogia

- É Como Se...

- Diferença Entre Analogia E Símile



Passei.com.br | Portal da Programação | Biografias

FACEBOOK


PUBLICIDADE




encyclopedia