BUSCA

Links Patrocinados



Buscar por Autor
   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z


A arquitetura da felicidade
(AlexandraFernandes; Alain de Botton)

Publicidade
Se é verdade que as construções e mobílias que descrevemos como belas evocam aspectos da felicidade, poderíamos perguntar porque julgamos essas evocações necessárias. É fácil compreender porque desejamos que atributos como dignidade e beleza tenham papel em nossa vida, menos claro é por que também necessitamos que os objetos à nossa volta falem deles. Nossa sensibilidade ao que nos cerca pode ter origem numa característica incômoda da psicologia humana: o modo como abrigamos em nós muitas identidades diferentes, e nem todas parecem igualmente “nós”, tanto que em determinados estados de espírito podemos nos queixar de ter nos afastado do que julgamos ser o nosso verdadeiro EU. Nossas rotinas de trabalho podem ser frenéticas e cheias de compromissos, densas de reuniões e apertos de mão pouco sinceros, mexericos e burocracias. Podemos dizer coisas em que não acreditamos para conquistar colegas, nos sentir invejosos e excitados com relação a metas a que na verdade não damos importância. Mas, no final, sozinhos, olhando pela janela o jardim e a escuridão se formando, aos poucos retomamos o contato com um EU mais autêntico, que ali estava nos bastidores esperando que terminássemos nossa representação. Nosso lado submerso extrairá coragem das flores pintadas dos dois lados da porta. O valor da gentileza se confirmará nas dobras delicadas das cortinas. Nosso interesse por um modesto e afetuoso tipo de felicidade será favorecido pelas despretensiosas tábuas de madeira do assoalho. Os materias a nossa volta nos falarão das mais altas expectativas que temos em relação a nós mesmos. Neste ambiente, podemos chegar perto de um estado mental marcado por integridade e vitalidade. Podemos nos sentir interiomente liberados e, num sentido profundo, voltar para CASA. Sem homenagear nenhum deus, uma peça de arquitetura doméstica, não menos do que uma mesquita ou capela, pode nos ajudar na celebração de nosso EU genuíno. Assim como um quarto inteiro, um único quadro pode nos ajudar a recuperar as partes perdidas e importantes de nós mesmos. Veja a tela de William Nicholson com uma tigela, uma toalha de mesa branca e algumas ervilhas debulhadas observadas bem de perto. À primeira vista podemos experimentar certa tristeza ao reconhecer o quanto nos distanciamos do seu espírito meditativo e observador, de sua modéstia e da valorização da beleza e da nobreza cotidiana. Por trás do desejo de possuir o quadro e pendurá-lo onde poderíamos examiná-lo regularmente, talvez esteja a esperança de que pela contínua exposição à ele, suas qualidades venham assumir um poder maior sobre nós. Passar por ele como a última coisa que se faz de noite ou de manhã quando saímos para o trabalho teria o efeito de um ímã que traria à superfície filamentos submersos de nossa personalidade. O quadro atuaria como guardião de um estado de espírito.



Resumos Relacionados


- Lição De Vida

- O ConteÚdo Da Felicidade

- A Capela

- Quando Falta Algo Para Ser Feliz

- Vida Desolada



Passei.com.br | Portal da Programação | Biografias

FACEBOOK


PUBLICIDADE




encyclopedia