BUSCA

Links Patrocinados



Buscar por Autor
   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z


Síntese Da História Da Tv Brasileira
(Daniel Zimmermann)

Publicidade
Historia da TV Brasileira

A história da TV brasileira fará este ano 55 anos de existência, e para entender melhor como a TV surgiu no Brasil, será apresentado um resumo contextualizando seu surgimento.
No dia 18 de setembro de 1950 foi a data oficial da inauguração da primeira emissora de TV no Brasil, a PRF-3 TV Difusora tendo sua primeira transmissão no Palácio do Rádio, em São Paulo, Cassiano Gabus Mendes comandou um show, com artistas famosos, foram instalados 200 aparelhos em pontos de grande movimento em São Paulo como a Praça da República para que o povo constatasse o surgimento da TV no Brasil.

Quatro meses depois, em janeiro de 1951, entrava no ar a segunda emissora do país, a TV Tupi do Rio de Janeiro. Nesses dez primeiros anos de TV, o aparelho ainda era um artigo de luxo, pois não havia indústrias que fabricassem seus componentes, então, os aparelhos de TV eram importados dos Estados Unidos.

Em 1958 eram apenas 78 mil aparelhos em todo o Brasil, por isso, as programações das emissoras seguiam uma linha de ?elite?, com artistas e técnicos trazidos do rádio e do teatro. Entrevistas, debates, teleteatros, shows e música erudita. Pode-se dizer que o início da TV Brasileira era feito com muitos improvisos e adaptações de programas de rádio e teatro para a TV como, por exemplo, o Famoso programa de rádio Repórter Esso, ganhou com o advento da TV um programa exclusivo, foi um dos telejornais de maior sucesso. Ficou no ar 20 anos.

Por falar em telejornalismo, o primeiro telejornal a título de curiosidade foi o Imagens do dia que estreou em 19 de setembro de 1950, um dia depois da inauguração da TV no Brasil, seu estilo e formatação seguia os moldes do rádio apenas com a vantagem de poder se ver o locutor e com algumas imagens de exibição em preto e branco sem som. O telejornal ficou no ar por um pouco mais de um ano.

No ano de 1951 foi iniciada no país a fabricação de televisores da marca invictus e desde então, o crescimento do número de aparelhos cresceu em progressão geométrica chegando em 2001 a uma marca projetada de 60.500000 milhões de aparelhos. Em 1950 eram 200 aparelhos, em 1970, 4.8584000, em 1990, 29.983000 e em 2000, 58.283000 aparelhos de televisores.

Ao final da década de cinqüenta existiam 10 emissoras de televisão em funcionamento e, em 1962 foi promulgado o código brasileiro de telecomunicação tornando-se um grande avanço para o setor.
No início da década de sessenta a TV brasileira ganhou outro impulso: O videoteipe, o seu uso possibilitou em um desenvolvimento de uma nova estratégia de programação horizontal que é a veiculação do mesmo programa em vários dias da semana e não mais como o de caráter vertical, com programas diferentes todos os dias.

O golpe de 1964 que afetou diretamente os meios de comunicação de massa porque o sistema político e a situação socioeconômica do país foram totalmente modificados pela adoção de um modelo de desenvolvimento nacional. Os veículos de comunicação principalmente a televisão foram difusores principais da ideologia do regime militar e aqueles que não estivessem de acordo com a ideologia eram censurados ou cassados.

A criação em 1967 do Ministério das Comunicações promoveu a implantação de importantes mudanças estruturais no setor das telecomunicações e também uma redução considerável na interferência de organizações privadas no setor para que o regime pudesse ter maior controle. Estas atitudes políticas e censuras contribuíram para o baixo nível das produções de televisão, cujo conteúdo era popular, indo ao limite do ridículo.
Foram no Governo de Emílio Garrastazu Médici e Ernesto Geisel que expressaram visivelmente a desaprovação à violência e à falta de padrões de cultura, que causaram interferências ainda maiores no conteúdo da televisão, porém este tipo de intervenção do governo não se faz apenas nesta época, mas até atuais dias.

Resumindo-se, o Regime Militar é a fase em que a televisão brasileira deixa o clima de improvisação e passa aos padrões norte-americanos e torna-se mais profissional através de um esquema empresarial mais estruturado, surgimento de grandes ídolos, e o crescimento considerável de telespectadores. Porém vale ressalvar que a censura aplicada aos veículos de comunicação limitou o crescimento da produção, tirou a criatividade e manipulou a opinião pública.

Ao final da década de 60 o grande ?bumm? daquela época e que se estende até os dias de hoje foi dado no dia 9 de setembro de 69 quando entrou no ar o primeiro jornal nacional colocado em rede, simultaneamente para várias regiões do país, inaugurando o tronco Sul de microondas da Embratel.

A estratégia da Globo se resume no seu ?Padrão Global de Qualidade? baseado investimentos na consolidação da rede através de suas filiais, e na configuração do Padrão de Qualidade, um dos aspectos deste padrão é a alta sofisticação tecnológica decorrente da grande concentração de capital. Outro fator que contribuiu muito foi na década de 70 em que a única concorrente da Globo, era a Tupi, já em fraca decadência e as demais redes vão se constituir no final da década de 70. Também vale destacar que o processo econômico de desenvolvimento aumentou muito a demanda de mercado consumidor. E desde então a Globo se mantém líder em tecnologia de transmissão e audiência.



Resumos Relacionados


- Cultura A Televisao

- Chacrinha

- Alô! Rádio Surgiu!

- Globalização Impacto

- A Década De 60, Rebeldia, Contestação E Repressão Política



Passei.com.br | Portal da Programação | Biografias

FACEBOOK


PUBLICIDADE




encyclopedia