BUSCA

Links Patrocinados



Buscar por Autor
   A | B | C | D | E | F | G | H | I | J | K | L | M | N | O | P | Q | R | S | T | U | V | W | X | Y | Z


Plano Collor (governo Fernando Collor ? 1990 / 1992)
(LUXJUS)

Publicidade
Plano Collor (Governo Fernando Collor ? 1990 / 1992)
Anunciado um dia após a posse do novo Governo (16/3/90), o programa tinha inspiração neoliberal. Collor ambicionava modernizar o Estado e estabelecer plena­mente a economia de mercado no País, além de eliminar a inflação. As principais medidas foram: confisco tempo­rário de grande parte do dinheiro depositado nas contas correntes, cadernetas de poupança e outras aplicações financeiras; volta do cruzeiro como moeda nacional; con­gelamento de preços e salários; reformulação do cálculo mensal da inflação aplicado na correção de salários, alu­guéis, aposentadorias, etc. Com objetivos de médio e longo prazo, o Governo iniciou reforma administrativa, recompondo e reduzindo o Ministério, demitindo funcionários e vendendo imóveis; anunciou um programa de privatizações a ser financiado com títulos comprados pelos bancos e um programa de desregulamentação e liberalização da economia, reduzindo ao mínimo a inter­venção do Estado na atividade econômica, eliminando as reservas de mercado e facilitando as importações. A reforma administrativa não avançou, a produção estan­cou e a inflação voltou a subir. Nada se conseguiu nas negociações da dívida externa. O Governo tentou o Pla­no Collor II em fins de janeiro de 1991, mas a apatia com que a população recebeu as novas medidas mostrou a perda de credibilidade dos choques e planos.

- Plano Real (Governo Itamar Franco ? 1992 / 1994)
Em maio de 1993, o sociólogo Fernando Henrique Cardoso assumiu o Ministério da Fazenda e reuniu um grupo de economistas para implantar um novo plano, vi­sando a eliminar a inflação e estabilizar a economia. O plano desenrolou-se em três etapas: na primeira procu­rou-se controlar as contas do Governo, no sentido de di­minuir o déficit público e aumentar as reservas no exterior; na segunda etapa foi criada a Unidade Real de Valor (URV), um indexador que passaria a corrigir diariamente preços, salários e serviços, como uma espécie de moeda. A URV foi implantada em 1 ° de março de 1994; finalmente, em 1° de julho de 1994, foi introduzida uma nova moeda, o real, com o valor de uma URV equivalente a 2.750,00 cruzeiros reais, moeda que desapareceu. Tais medidas elevaram demasiadamente o consumo, o que preocupou o Gover­no. Em outubro de 1994, o Governo baixou um pacote anticonsumo, contendo as seguintes medidas principais: limitação de três meses no parcelamento de compras fi­nanciadas com recursos de instituições financeiras; sus­pensão de consórcios de eletrodomésticos e eletrônicos; redução para doze meses do prazo dos novos grupos de consórcios para a aquisição de carros; recolhimento com­pulsório de 15% sobre qualquer tipo de empréstimo feito por qualquer instituição financeira.
Durante os seus dois primeiros anos o Governo Fernando Henrique Cardoso conseguiu manter a estabi­lidade econômica. Em 1996, a inflação ficou em torno de 10%. Mesmo com a estabilização o Governo não conse­guiu cumprir sua meta de gerar 5,8 milhões de empregos. A taxa de desemprego atingiu 6% dos trabalhadores das seis principais regiões metropolitanas do País, em 1996. Com o modelo de abertura econômica adotado, muitas empresas passaram por dificuldades ou fecharam, devi­do aos juros elevados e à concorrência de produtos im­portados.



Resumos Relacionados


- O Governo Da Itamar Franco (1995 - 1994)

- Inflacao

- O Governo Do Fernando Collor (1990 - 1995)

- Mercado Financeiro , Aspectos Históricos E Conceituais

- O Governo De Fernando Henrique



Passei.com.br | Portal da Programação | Biografias

FACEBOOK


PUBLICIDADE




encyclopedia